Feliz ano novo e... muito obrigada!

terça-feira, 31 de dezembro de 2013



Hoje o post é só para desejar um feliz ano novo e, é claro, agradecer todo o carinho que eu recebo diariamente dos leitores do blog. Sério, a parte mais feliz do meu dia é quando recebo um recadinho de alguém que comprou um produto por indicação minha e amou, ou então que leu um livro por causa da minha resenha, adoro quando isso acontece porque é a maneira que tenho de saber que as horas que gasto com o blog e com o canal estão valendo a pena, que o trabalho está sendo bem feito e que eu estou trazendo algo de bom para a vida das pessoas. 

E neste fim de ano estou duplamente feliz porque acabei de ultrapassar a marca de 2.200 inscritos no canal do blog no youtube. Para internet isso é pouco mas, para mim, são mais de duas mil pessoas interessadas no que eu tenho a dizer, e isso é maravilhoso! O blog está crescendo, muitas coisas boas estão acontecendo comigo por conta disso e eu só tenho a agradecer a quem proporciona tudo isso. Ou seja, você.

Então, como é o último dia do ano, eu gravei um vídeozinho com uma mensagem super especial para quem me acompanha.


E é isso. Muito obrigada por me acompanhar, me ajudar a ser uma pessoa melhor e mais dedicada e por tornar meus dias bem mais felizes. Nos vemos em 2014. :)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Os favoritos de 2013 - beleza e mulherzices

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013


2013 foi um ano intenso! Saí para vários lugares legais, conheci muita gente interessante e, por tudo isso, andei bem vaidosa neste ano que passou. Me maquiei mais, comprei produtos bem legais e tenho várias dicas para compartilhar.

Então, sem enrolar muito, vamos à lista de favoritos do ano! Já tem resenha de quase tudo aqui no blog, é só clicar no nome do produto para ir direto ao post.



Lista de produtos mencionados no vídeo:



Eu fiz um vídeo separado só falando dos livros favoritos do ano, porque obviamente jamais conseguiria escolher somente um. Clique aqui para assistir se você ainda não viu.

E agora eu quero saber de você: quais produtos ganharam seu coração esse ano? Compartilha comigo nos comentários. 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Meus 12 livros favoritos de 2013

domingo, 29 de dezembro de 2013
E cá estou para falar dos meus livros queridinhos de 2013! Este ano eu li bastante, no momento que estou escrevendo o post contabilizei 41 livros (segundo o skoob, me segue lá! :D) mas acho que ainda dá tempo de terminar mais unzinho nesta reta final. \o/



Enfim, com mais de 40 livros na lista e muuuuitas leituras boas, ficou bem difícil escolher apenas 12. Acho que fiz um bom trabalho e consegui decidir quais são os favoritos do ano, aqueles que eu indico para qualquer pessoa ler. Tem uma mençãozinha honrosa, porque ninguém é de ferro. Quase todos os livros já tem resenha em vídeo, e os que não tiverem ainda, terão muito em breve. Então, sem mais delongas, assista ao vídeo para saber quais foram os livros que mais amei ter lido em 2013.



Livros mencionados no vídeo:

Sinceramente? Se quiser escolher um livro para ler mas não souber qual, pode ir com fé em qualquer um desta listinha, são todos incríveis! 

Quais foram seus livros preferidos do ano? Conta para mim nos comentários e, quem sabe, ele não ganha uma resenha em vídeo também? ;)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Resenha de Deixe a Neve Cair e... Feliz Natal! ♥♥

terça-feira, 24 de dezembro de 2013
Hoje é o dia mais mágico do ano! Eu sempre-sempre-sempre amei o natal, de uns tempos para cá tenho me sentido sozinha e meio triste nesta época, mas o sentimento passa logo que eu vejo as luzinhas piscantes e a alegria das pessoas na rua. Então, é lógico que eu tinha que fazer um Especial de Natal aqui no blog! Escolhi falar sobre um livro extremamente cuti-cuti e que traduz super bem a magia natalina: Deixe a Neve Cair!



Já tinha falado sobre este livro na minha listinha de livros para ler no natal, e, como é curtinho e super rápido, eu acabei lendo para comentar em vídeo. Amo fazer vídeo de livros, você sabe. E, olha, eu adorei ler este livrinho, é tão fofo e gostosinho, ótimo para passar o tempo.

Trata-se de uma coletânea de contos de três autores best-sellers e todos se passam na noite de natal, sob uma intensa e inesperada nevasca que permeia as tramas. São histórias independentes, mas que acontecem no mesmo universo, o que é bem bacana porque há vários personagens comuns aos três contos. Muito interessante!

O conto O Expresso Jubileu é de Maureen Johnson, John Green assina O Milagre da Torcida de Natal e Lauren Myracle é a responsável pelo meu conto preferido do livro, O Santo Padroeiro dos Porcos.  

No vídeo, eu conto mais sobre o livro e explico um pouquinho sobre cada conto e o que achei deles. 



E é isso! Feliz natal para toda essa gente linda que me acompanha por aqui. Espero muito que você tenha um natal mágico! E não se esquece de garantir o presente participando do meu sorteio. ;)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Cocota Nerd Lê: Todo Dia, de David Levithan

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013


Todo Dia é uma das grandes surpresas de 2013! Não estava dando nada por ele, mas me apaixonei quando li. Com certeza ficarei de olho em todos os livros do David Levithan. O próximo da fila provavelmente será Will e Will, escrito em parceria com John Green.

Gostei do livro porque, além da premissa criativa e interessante (um menino que acorda a cada dia em um corpo diferente!!) e da escrita super gostosa, a história criada por Levithan é uma metáfora perfeita para o sentimento de inadequação e de não-pertencimento da adolescência, e promove uma reflexão sobre rótulos e como eles definem (ou não) a gente. Dou minha opinião muito mais aprofundada no vídeo, e realmente sugiro que você assista:


Nem preciso dizer que super recomendo, né? Virou favorito da vida!

E você, já leu algum livro do David Levithan? Tem algum para me indicar?
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Guilty-Pleasure: Romances Policiais

sábado, 21 de dezembro de 2013
Um dos meus grandes guilty pleasures literários são os romances policiais. Muita gente diz que são leitura de qualidade inferior e eu até admito que muitos deles não são exatamente um primor literário. Mas eu adoro! Comecei com Agatha Christie na adolescência, e, hoje em dia, já li diversos autores do gênero. Do precursor Monsieur Dupin, de Edgar Allan Poe, ao jornalista Mikael Blomkvist da trilogia Millennium, leio tudo que envolva mistérios aparentemente insolúveis e amo pôr meus neurônios para trabalhar tentando adivinhar o final do livro.



Uma das minhas autoras tradicionais favoritas no gênero continua sendo a rainha do crime, Agatha Christie. Seus mistérios são os mais eletrizantes e eu sempre engulo o livro para saber logo quem é o assassino! Ao contrário da maioria das pessoas, que prefere o belga bigodudo Hercule Poirot, eu gosto mais da Miss Marple! A velhinha detetive é tão adorável e pouco ortodoxa que acabou se tornando uma das minhas personagens favoritas de todos os tempos! Já li quase todos os que a autora escreveu e ainda hoje me surpreendo durante a leitura. Tenho uma parte da minha "estante" dedicada somente a eles, precious ones

Uma série de livros que não é exatamente policial mas envolve muitos mistérios e intrigas e eu adoro é a série Pretty Little Liars. Os mistérios são até meio bobinhos, mas a história é uma delícia de ler, e, quando começo um livro, não consigo largar até chegar ao fim. Para quem se interessar, eu fiz um vídeo sobre a série lá no canal.



Mas meus amores policiais mais recentes são os livros da Trilogia Millennium! A série é muito inteligente e bem-escrita, impossível adivinhar a solução para os mistérios desenvolvidos por Stieg Larsson. Lisbeth Salander, a hacker protagonista da série, virou minha personagem queridinha, e com certeza os três livros estão entre os melhores que eu já li na vida! É uma pena que o autor tenha falecido pouco depois de escrever o terceiro livro, pois a literatura está precisando de histórias inteligentes e fora do comum. Também tenho vídeo falando da série, por sinal. 

Dentre os autores nacionais, gosto muito do Luiz Alfredo Garcia-Roza! O personagem principal de seus romances, Delegado Espinosa, é um dos personagens mais inteligentes e carismáticos da literatura policial. Gosto muito porque praticamente todos os livros são ambientados na zona sul do Rio de Janeiro e é delicioso ver lugares reais, onde eu passo todos os dias, serem retratados na história. Outra coisa legal é que a maioria dos títulos tem o final meio em aberto, o que deixa margem para muitas interpretações do leitor. Preciso muito fazer um vídeo sobre os livros do autor.



Por fim, um dos romances policiais que mais me chamaram a atenção nos últimos tempos com certeza foi O Chamado do Cuco, de Roberth Gailbrath (aka JK Rowling). Me empolguei tanto com o livro que corri para ler no Kindle antes mesmo de lançarem aqui no Brasil, e inclusive estou sorteando um belo exemplar aqui no blog! Clique aqui para saber como participar e concorrer a este presentão. 

E você, curte romances policiais? Quais são seus autores favoritos? Conta para mim nos comentários!
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Livros para ler no natal

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013
Eu sou suspeita para falar, porque leitura é minha atividade favorita e troco qual-quer programa por um livro empolgante. Mas, no natal, acho especialmente essencial ter uma boa história para ler, principalmente porque é um dia em que não se tem muito o que fazer além de se empanturrar com as gostosuras da ceia e abrir presentes e mais presentes. Eu, pelo menos, sempre uso o natal/recesso de fim de ano para colocar minhas leituras em dia.

Para ajudar a entrar no clima, vou dar a dica de cinco livros para ler no natal e mais uma menção honrosa. Lembrando que nem todos da lista eu já li, viu? (clique no nome do livro para ir à página dele no Skoob, com mais informações). 



- O Natal de Poirot/A Aventura do Pudim de Natal

Para os amantes dos romances policiais, como eu, minha primeira sugestão, na verdade, são duas: dois livros da dama do crime que se passam no natal. Ambas as histórias são protagonizadas pelo detetive belga Hercule Poirot. A Aventura do Pudim de Natal é uma coletânea de contos bem rapidinhos de ler, um dos livros da Agatha Christie que achei mais divertidos de ler. Já O Natal de Poirot é um verdadeiro clássico dos livros policiais e traz um dos mais assassinatos mais sangrentos já "cometidos" por Agatha Christie. 

- Deixe a Neve Cair

Mais uma coletânea de contos com temática natalina, Deixe a Neve Cair traz três histórias que têm como ponto comum a neve típica do natal norte-americano e o fato de se passarem na véspera do natal. Os contos são assinados pelo queridinho John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle, e é fofo até dizer chega! Estou lendo este livro e, se tudo correr bem, ele será tema do meu vídeo especial de natal! 

- O Presente

Lançamento da Novo Conceito para o natal, O Presente é um livro de Cecelia Ahern, muitíssimo conhecida pelo romance PS: Eu te Amo (chorei litros no filme, beijos) que tem tudo para ser mega fofinho.  O foco da narrativa é sobre um presente, ou seja, tudo a ver com o natal, né? Este eu não li ainda, mas fica aí a dica. 

- Anjos à mesa

Não sou muito fã de anjos, mas este livro me pareceu bonitinho. Anjos à mesa, de Debbie Macomber, trata sobre três anjos que resolvem "dar um passeio" aqui pela terra na época das festas de fim de ano e acabam interferindo sem querer na vida de uma casal. Toda uma vibe comédia romântica que eu acho super apropriada para a data. Também não li, mas já tá no Kindle. 

- Em casa para o natal

Me julgue, mas me interessei por este livro simplesmente porque a capa é muito fofa! Em casa para o Natal,  de Cally Taylor, une romance e comédia em uma história que se passa no natal e promete ser muito gostosa de ler. A premissa é meio manjada: a mulher que tem uma vida quase perfeita, mas que ainda não encontrou seu verdadeiro amor. Clichês à parte, quero muito ler pelo fator fofura, e o e-book já está aguardando na fila interminável do meu Kindle. 

- Faixa-bônus: Um conto de Natal/A christmas carol \o/

Como deixar de mencionar a história de natal mais famosa de todos os tempos, né? Acho que todo o mundo conhece Um conto de Natal, a história do muquirana Mr. Scrooge (o precursor do Tio Patinhas, yay!) que, na véspera do natal, recebe a visita dos fantasmas do natal futuro, passado e presente. Se você não conhece, faça-me o favor, vá ler agora! Sério, a história é bonita e inspiradora e sempre me faz pensar sobre o verdadeiro sentido do natal! Acho que já vi e li todas as adaptações existentes para este conto do Charles Dickens



Você acrescentaria mais algum título à minha listinha natalina? Compartilha comigo nos comentários!
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Wishlist natalina: Presentes Nerds

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013
Meu nome é Fabiola e meu sobrenome é Clichê, então, resolvi fazer aquele post suuuper manjado de wishlist de natal. Vai que serve como dica para quem ainda não comprou o presente de amigo oculto, né? Minhas dicas são todas do lado nerd da Força, e acho que tem bastante coisa legal.





Eu sou apaixonada pelo desenho Hora de Aventura e tenho muitooooo que fazer um post sobre eles aqui no blog, porque é muito divertido, ótimo para espairecer. Adoro os acessórios, bonequinhos e outras fofuras inspiradas na série, e tenho até uma ecobag do Finn. Mas confesso que ando muito de olho nas almofadas do Laboratório Monstro, que ficariam incríveis no meu sofá!



Uma das minhas lojas favoritas para comprar presentes criativos é a Fábrica 9! Tem várias opções de preços bem variados, acho muito digno. Amei estes murais de cortiça, muito a minha cara!



Babei nestas camisetas de Harry Potter da Nerd Universe, porque fogem daquela mesmice de camiseta de frase, e vêm em modelos e estampas super criativos! Louca por essa Avada Kedavra, Bitch! #potterhead



Por falar em Harry Potter, o que dizer destes anéis de oclinhos de Harry Potter com cicatriz? Sério, fofice define, e não tem nada mais "cocota nerd" do que isso! Fato fatíssimo que comprarei um para mim logo menos. Tem na loja Toca Mágica, que eu não conheço, mas que já amei porque tem vários outros itens inspirados na saga do bruxinho. Também achei o mesmo anel na Minhoquices. E tem no Ebay também, yay!



Por fim, uma dica para quem vive flertando com o lado negro da Força: chaveiro luminoso do Darth Vader da loja Mari C. Amo as coisas dessa loja, e quero este chaveiro para ontem. *-*

E você, tem mais alguma lojinha de nerdices fofas para me indicar? Deixe o link nos comentários! =D
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Me rendi aos Jogos Vorazes

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013


Todo mundo seeeeempre me cobrava resenha da série Jogos Vorazes, mas eu morria de preguiça de ler porque achava que não iria gostar. Porém, assisti Em Chamas e saí do cinema on fire, louca para ler os livros e saber o que ia acontecer no final da trilogia. Pois bem, em duas semaninhas eu matei os três livros e já gravei vídeo para contar o que foi que achei. Minha opinião é beeeeem peculiar e difere um pouco da maioria dos vloggers, então, vale a pena assistir ao vídeo.

Aviso logo que minha resenha contém MUITOS SPOILERS! Sério, não há possibilidade de falar de uma trilogia como essa sem contar o final dos livros anteriores, então só assista se já tiver lido a trilogia ou se não se importar com esse fato.


 

E é isso! Sei que algumas das minhas opiniões são polêmicas, mas opinião é isso, né? Agora, você, que já leu os livros, me conta o que achou desse final! E não se esqueça de se inscrever no meu canal e de curtir minha fan page para ficar sabendo das novidades em primeira mão. ;)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





HQ para adultos: Persépolis, de Marjane Satrapi

terça-feira, 10 de dezembro de 2013
Engana-se quem pensa que os quadrinhos são necessariamente voltados para crianças. Não é de hoje que as HQs de teor adulto e politizado fazem sucesso entre os que já passaram da puberdade. Já na década de 60, Quino falava de assuntos sérios de maneira bem-humorada com sua simpática Mafalda. As graphic novels também se popularizaram por tratar de temas mais pesados, como é o caso de V de Vingança. Mas, a meu ver, uma das histórias em quadrinhos "de adulto" mais inovadora e brilhante é Persépolis, de Marjane Satrapi. Isso porque este livro nada mais é do que a biografia da autora… em formato de quadrinhos.



Marjane Satrapi é iraniana e, em Persépolis, narra suas memórias, desde quando era apenas uma menina de dez anos oprimida em um país onde as mulheres praticamente não tinham direitos, até crescer e se tornar uma mulher engajada, questionadora e bem-resolvida. Há momentos bem-humorados no livro mas as partes marcantes, sem dúvida, são as que envolvem os perrengues da vida de Marjane. Há umas passagens tão comoventes que nem o fato de serem narradas em formato de quadrinhos ameniza a tensão.

Convenhamos, a biografia de uma mulher iraniana pode ser tudo, menos banal. Ainda menina, a autora e protagonista do livro descobre que cresceria sem ter voz em uma sociedade sexista e opressora. Na adolescência, é enviada para a Europa e, então, passa a viver todo o tipo de experiências, desde a liberdade de poder andar nas ruas sem medo e sem precisar se esconder debaixo de véus, à solidão de estar em um país estranho, com uma cultura totalmente diferente e repleto de preconceito. Em certo momento da narrativa, ela inicia um processo de autodestruição, se envolvendo com drogas e quebrando a cara diversas vezes. Toda esta sequência é muito triste, mas necessário para que Marjane desse a volta por cima após voltar à sua terra.



Se eu fosse definir esta autobiografia em apenas uma palavra, seria bittersweet. A narrativa é leve, o traço do desenho é adorável e a leitura é divertida (é óbvio que o formato ajuda neste ponto), porém o livro tem passagens muito tocantes, que, de fato, provocam uma reflexão no leitor. Como já falei várias vezes aqui no blog, qualquer assunto referente à violência e humilhação de mulheres me deixa extremamente revoltada, então confesso que tive toda uma vontade de fechar o livro em vários momentos. Porém, continuei lendo até o fim, simplesmente porque é impossível resistir à narrativa de Sartrapi.

O livro é muito bom e quebra o paradigma de que histórias em quadrinho são necessariamente infantis. Recomendo muito, mesmo não sendo fã de biografias. Agora quero muito ler, da mesma autora, Bordados, livro que também fala sobre os dramas de se nascer mulher em uma sociedade sexista e controladora, e que promete ser rodeado de ironias. 

Para quem se interessou pelo enredo, eu indico também o filme homônimo, uma animação super fiel ao livro.



E você, gosta de histórias em quadrinhos “adultas”? Se tiver alguma para me indicar, me conta nos comentários!
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Comprinhas de Novembro!

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013
E lá vai a louca-consumista-desvairada mostrar o haul do mês! Mentira, até que fui bem comportadinha em novembro e cometi pouquinhos excessos financeiros. Mas achei que algumas das aquisições de maquiagem, livros, roupas e aleatoriedades mereciam um espacinho aqui no blog.



Fiz um vídeo para dividir com você quais foram as minhas comprinhas de novembro, com direito a Fabiolinha pagando um mico danado nas cenas pós-créditos. Sim, porque agora eu tenho assistente de produção e making-of. #phyna

Sem mais delongas, dá o play e vem ver o que tem de novo por aqui!



Produtos mencionados no vídeo:
  • Livro A Comédia Mundana, de Luiz Biajoni
  • Livro Todo Dia, de David Levithan (resenha gravada e editada, já já vai pro ar!)
  • Caneta de porquinho amor para toda a vida
  • Caneca Magali da Tok Stok
  • Short de malha canelada escandalosamente curto Anafé
  • Saia Pìnk Diamnt (tem Look do Dia com ela :D)
  • Max Keratin Novex
  • Luxury Mask Alfaparf
  • Lip Balm Burt's Bees
  • Perfume My Insolence da Guerlain
  • Delineador Rio Sixties Make B (fica de olho, que é a próxima resenha aqui do blog!!)
  • Sombra Pretíssima Quem Disse Berenice?
  • Esmaltes OPI que já mostrei aqui 
  • Esmalte Heavenly da Revlon

E você, tem alguma compra imperdível para me contar? ;)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Elvis e Madona [uma novela lilás]

domingo, 8 de dezembro de 2013

A gente conhece muuuitos filmes que acabam virando livros, mas, e quando o contrário acontece? É esse o caso de Elvis e Madona - uma novela lilás, novela de Luiz Biajoni que é uma adaptação bem-sucedida do filme homônimo (muito bom, por sinal). Li recentemente e amei demais, então vim aqui contar um pouquinho mais sobre esta história tão inusitada.

O mote de Elvis e Madona é a controversa história de amor entre uma lésbica - Elvis - e uma transgênero - Madona. Este tema tão inédito já renderia, por si só, uma história excelente, mas Biajoni não para por aí e inclui assuntos sórdidos como tráfico de drogas e prostituição à trama. Isso, é claro, recheado de referências sexuais, palavrões, diálogos impagáveis e piadas sutis e divertidíssimas, como é característico da literatura do autor.

Como em todos os livros do Biajoni, os personagens são do tipo "de carne e osso", fazem merda, têm problemas, não são os típicos heróis perfeitinhos. Acho ótimo, porque possibilita a identificação imediata do leitor, ainda mais com passagens absolutamente cotidianas temperando a narrativa. Como este livro é todinho passado no Rio de Janeiro, sobretudo em Copacabana, ainda teve a vantagem extra de eu me familiarizar com vários dos locais e hábitos retratados.

Eu diria que este é um livro mais "leve" do que os outros que li do autor (Sexo Anal: uma novela marrom e Buceta: Uma novela cor-de-rosa). Mas, ainda assim, é leitura para quem tem mente aberta e bom humor. No vídeo, eu conto um pouco mais sobre a trama e dou minha opinião em detalhes, vale muito a pena assistir:




No mais, edição impecável, capa linda e a faixa-bônus de ter meu exemplar autografado, yay! Sei dizer que todo mundo para quem eu indiquei e leu, gostou muito. Fica aí a dica de literatura nacional que foge da mesmice, viu? ;)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Os Favoritos de Novembro

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Este mês, fui pontual e já liberei o vídeo de favoritos do mês lá no canal! Este é o último do ano, pois, em dezembro, tradicionalmente rola o apanhado dos melhores do ano, então caprichei em minhas escolhas. Tem várias dicas legais para compartilhar e, se quiser saber quais são, é só dar o play abaixo.




Produtos mencionados no vídeo:

Livro mencionado no vídeo:

Filme mencionado no vídeo:
  • Em Chamas (Catching Fire, 2013)

Músicas mencionadas no vídeo:
  • Royals - Lorde
  • Perfume - Britney Spears

Lugar mencionado no vídeo:
  • Paradis Delices Françaises


E você, já usou algum dos meus queridinhos? O que tem para me indicar este mês? 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Sorteio de Natal: Livro O Chamado do Cuco + Super Kit \o/

domingo, 1 de dezembro de 2013

O Espírito Natalino se apoderou da minha pessoa e decidi fazer um super sorteio de Natal aqui no blog! E a Mamãe Noel aqui não economizou no presente, montei um kit perfeito para quem ama ler como eu. 

O kit do sorteio contém o livro O Chamado do Cuco, escrito pela JK Rowling sob pseudônimo (já li e achei ótimo, confira a resenha em vídeo), capa para manter o livro bem protegido da Livros e Bichos, ímãs e marcadores de página imantados, também da Livros e Bichos. Quer dizer, só presentão! \o/



Para participar é m-u-i-t-o fácil: só se inscrever no meu canal no youtube e preencher o formulário que validará a sua inscrição. Ah, sorteio válido apenas em território nacional, ok? Em tempo, não é obrigatório curtir a página do Cocota Nerd no facebook, mas, caso o faça, saiba que a blogueira ficará muito feliz. =)

Falei um pouco mais sobre o sorteio e mostrei o kit em detalhes no vídeo abaixo. Assista, e aproveita para dar um like e se inscrever caso ainda não tenha se inscrito. 




O prazo vai de hoje, 01/12, até o dia 31/12 e ano que vem eu volto com o resultado. Combinado?

Participe, compartilhe o post em suas redes sociais, chame os amigos, porque o prêmio vale a pena e JK Rowling arrasa em O Chamado do Cuco.  Boa sorte! 


Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





[TAG] Livros Opostos

quinta-feira, 28 de novembro de 2013


Amo responder a tags e tem uma fresquinha lá no canal. Esta é a Tag Livros Opostos, onde falo sobre livros que são opostos um do outro em vários aspectos. Essa foi sugestão de uma leitora e eu achei super original e divertida de gravar, tirando o trabalhão de guardar vinte livros na estante de madrugada, após terminar o vídeo. =p

São dez perguntinhas rápidas e muuuuitas indicações de livros legais, então sugiro não perder tempo e dar logo o play!




Perguntas respondidas no vídeo:

1. Primeiro livro da sua coleção x Último livro comprado
2. Um que você pagou barato x Um que você pagou caro
3. Com protagonista homem x Com protagonista mulher
4. Leu bem rápido x Demorou pra ler
5. Com capa bonita x Com capa feia
6. Um livro brasileiro x Um livro internacional
7. Um livro mais fino x Um livro mais grosso
8. Um livro de ficção x Um livro de não ficção
9. Um livro meloso x Um livro de ação
10. Um livro que te deixou feliz x Um livro que te deixou triste

E é isso! Quer responder à tag também? Então, fique à vontade de colocar suas respostas nos comentários, pois eu vou adorar saber. ♥

Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Esculturas fantásticas em... giz de cera!

terça-feira, 26 de novembro de 2013
Quem nunca brincou de fazer "arte" com giz de cera quando era criança? Eu era daquelas que amava ganhar de presente aqueles mega estojos com canetinhas e lápis de mil e uma cores, mas hoje em dia não sei desenhar nem boneco de palitinho. Porém, o artista Hoang Tran elevou a arte com crayons a um novo patamar, criando esculturas incríveis em minúsculos gizes de cera. As inspirações são bem variadas, e inspiradas em elementos da cultura pop. Tem Star Wars, Adventure Time, Donnie Darko... 

O que mais me impressionou foi a riqueza de detalhes, pois fiquei chocada em como o artista conseguiu esculpir com tanta precisão usando um material tão inusitado e tão pequeno!

Vou deixar aqui as minhas preferidas, mas no Tumblr do autor dá para ver mais, e você também pode adquirir pelo site

Já pode querer um Darh Vader?

Hora de Aventura \o/ 




Legal, né? Nessas horas, super me dá invejinha de quem tem talento para fazer coisas bonitas. 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





O que eu achei de Menino de Ouro

sexta-feira, 22 de novembro de 2013
Quando o assunto é literatura, eu devo admitir que 2013 está sendo surpreendente! Pelo menos um livro por mês ganha meu coração, e o queridinho da vez (e quiçá do ano. e quiçá da vida) é Menino de Ouro, da Abigail Tarttelin. Recebi este livro da parceira Globo Livros e já sabia que ia amar desde que li a sinopse. Só não tinha ideia de que eu ia amar tanto! 



Menino de Ouro


A premissa é muito, mas muito original!  O livro gira em torno de Max Walker, que é considerado o menino de ouro: é bom nos esportes, tira notas boas, é legal com a família, os amigos e até o irmãozinho, é super disputado pelas meninas do colégio, é educado e gentil... enfim, o queridinho da galera. Porém, ele esconde um segredo. Max Walker é intersexual. Isso significa que ele possui genitália masculina e feminina. Trocando em miúdos, Max não é um menino. Também não é uma menina. É os dois! Este fato já seria surpreendente por si só, mas Abigail Tarttelin foi capaz de construir uma história incrível e dramática para Max.

A intersexualidade do adolescente nunca havia sido um problema, até que algo grande, sombrio e inesperado acontece e muda o rumo de sua vida. A partir deste marco, Max começa a repensar a sua vida, seus valores, sua sexualidade, seus sentimentos. E é isso que torna o livro tão humano, tão verossímil, e tão real.

A narrativa é dividida entre seis narradores, cada um deles narrando um capítulo: Max, seu irmãozinho Daniel, sua namorada Sylvie, sua mãe, seu pai e sua médica. Todos os personagens narram em primeira pessoa e, sem exceção, falam exclusivamente sobre Max. É como se a mesma história fosse sendo contada sob pontos de vista muito diferentes, e, do jeito como a narrativa foi construída, é possível entender como é conviver com um intersexual sob a ótima de todos eles. Apesar de o foco se concentrar em Max o tempo todo, não fica nada repetitivo, isso porque a autora escreveu maestralmente, de um jeito que não dá vontade de parar de ler.

Os personagens são muito bem elaborados, todos têm background e dá para entender direitinho o motivo de suas ações. Depois de um tempo, já não é mais necessário olhar o nome do personagem que está narrando no início de cada capítulo, pois o leitor passa a reconhecê-los automaticamente. Eles têm vida própria e ganham força a cada página.

Até onde o sexo define você? 


O que eu mais amei em Menino de Ouro foi o fato de abordar papéis de gênero. A narrativa traz, o tempo todo, a seguinte pergunta: até que ponto o sexo/gênero define quem somos? Por que, afinal, precisamos ser ou menino ou menina, e não podemos gostar de coisas normalmente direcionadas para o sexo oposto? Vou deixar de ser mulher porque gosto de jogar video-game, porque falo palavrão, porque não leio somente livros ~de mulherzinha~ e nem revistas femininas? E, ao contrário, um homem que chora vendo comédias românticas, é menos homem do que o machão que só assiste a filmes de porrada? São questões que ficam na cabeça do leitor durante a leitura.

Minha quote preferida do livro, inclusive, foi a seguinte: "Você não deixa de ser mulher só porque gosta de ser a única que mete, nem deixa de ser um cara só porque gosta de receber". O sexo não define o que somos, nossa essência, o que faz de nós seres humanos únicos.

Eu, que acho que praticamente tudo na vida é unissex, muito me interessei pela história de Max, e também adorei saber um pouco mais sobre os intersexuais, que eu admito com certa vergonha que desconhecia completamente até então.

Considerações finais


Adorei Menino de Ouro e certamente ele entrará no pódio dos melhores livros de 2013. Contudo, não é um livro que eu indicaria para todo mundo. É uma história densa, que por vezes chega a ficar bem pesada, e é tão humanamente real que dá arrepios. Indicaria principalmente para quem não tem medo de mudar de opinião, que está aberto ao novo, que gosta de "assuntos sérios" sendo abordados na literatura e para quem flerta com essas discussões sobre gênero, sexualidade e outros bichos. 

Não tem jeito, eu escrevo, escrevo, e nunca acho que consegui transmitir tudo o que achei do livro em palavras. Sugiro assistir ao meu vídeo sobre Menino de Ouro, que está imperdível. Aproveita e se inscreve logo no meu canal, viu?




E é isso, recomendo DEMAIS Menino de Ouro e super acho que você deveria parar tudo o que está fazendo agora e ir ler este livro. ;)

Disclaimer: Este livro foi enviado pela editora para resenha. Tudo o que foi exposto neste artigo é baseado em minha opinião sincera e não recebo nenhum tipo de compensação para escrever o post.
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Roberto Carlos em Detalhes: A polêmica biografia proibida

terça-feira, 19 de novembro de 2013


Recentemente ressurgiu a polêmica em torno das biografias não-autorizadas, e foi o maior bafafá. Neste contexto, é impossível não lembrar da biografia de Roberto Carlos, que foi lançada em 2006 e recolhida logo depois por ordens judiciais, porque teoricamente invadiria a privacidade do cantor. Eu não gosto de biografias, mas gosto de polêmica, então tratei de ler Roberto Carlos em Detalhes, do autor Paulo Cesar de Araújo, e hoje vim dar a minha opinião sobre o livro, e meus vinte centavos sobre este assunto tão controverso.

Sobre o livro Roberto Carlos em Detalhes


Primeiramente, Roberto Carlos em Detalhes é um livro extremamente bem escrito, e gostoso de ler até mesmo para quem não é fã do gênero (euzinha! o/). Segundamente, nenhum fato descrito por Paulo Cesar de Araújo é absolutamente inédito, desconhecido do grande público, e muito menos ofensivo. Longe de manchar a imagem do cantor, o livro o enaltece como pessoa e profissional o tempo todo. É uma verdadeira obra de fã, fruto de muita pesquisa e dedicação.

Trocando em miúdos, acho uma pena que este livro tenha sido censurado (SIM, foi censura, não tem outra palavra pra definir, não), porque é um livro bem-feito, de edição linda, com uma escrita muito boa de se ler, e com certeza é um título que todo fã gostaria de ter na estante. Como amo um blá-blá-blá sobre livros, fiz um vídeo dando a minha opinião sobre Roberto Carlos em Detalhes, com um aprofundamento muito maior. Sugiro assistí-lo:



Sobre a polêmica das biografias não-autorizadas


Sinceramente? Acho muito barulho para nada. Se o biógrafo não ofender ou difamar o biografado em seu texto, não vejo por quê proibir. Medidas como a que retirou Roberto Carlos em Detalhes das prateleiras ferem a liberdade de expressão e são um verdadeiro retrocesso. Aliás, nem acho que o que incomodou o chamado "Rei" tenha sido a suposta invasão à sua vida pessoal, e sim a possibilidade de que Paulo Cesar de Araújo ganhasse dinheiro às custas de sua imagem #prontofalei. Caso dinheiro se um dia ele mesmo não contratar um ghostwriter para escrever a própria versão de sua biografia.

E mais, acho controverso e hipócrita que gente que se julga tão moderninha, que lutou contra a ditadura/censura em outros tempos, agora apoie esta barbaridade. Incoerência, a gente vê por aqui.

Sei dizer que tudo isso só prova que tudo que é proibido desperta mais a curiosidade. Enquanto o livro não tinha sido proibido, era apenas mais uma biografia nas prateleiras das livrarias. Hoje, é item de colecionador, uma raridade que chega a valer mil reais. E não duvido que tenha quem pague. Como sou a favor da democratização da cultura e acho que proibir deveria ser proibido, fica de presente o link para download de Roberto Carlos em Detalhes em PDF.

E você, o que acha desta polêmica toda? Concorda, discorda? Vamos conversar nos comentários. ;)

Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Os Favoritos de Outubro

terça-feira, 12 de novembro de 2013


Atrasei um pouquinho, mas cá estou para falar o que mais me cativou no mês de outubro. Desta vez tem muita novidade! Maquiagem, cosméticos, lugares no Rio, livros e músicas. Vale a pena assistir. ;)



Produtos mencionados no vídeo:


Livro mencionado no vídeo:



Lugares mencionados no vídeo:

  • Guerin (Av. Ns. de Copacabana, 920 - Copacabana)
  • Bendito (Av. Ns. de Copacabana, 1313 - Copacabana)

E é isso! Espero muito que você tenha gostado e achado minhas dicas úteis. Agora, conta para mim quais foram os seus favoritos de outubro. ;)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





O que eu achei de Inferno, de Dan Brown

segunda-feira, 11 de novembro de 2013
"Os lugares mais sombrios do Inferno são reservados àqueles que se mantiverem neutros em tempos de crise moral". Se eu fosse escolher uma frase para resumir Inferno, de Dan Brown, seria essa citação de Dante Alighieri. E hoje estou aqui para falar sobre o que eu achei do livro.



Eu não sou fã de Dan Brown e nem li todos os livros dele, escolhi ler apenas Anjos e Demônios e O Código Da Vinci porque o tema me interessava. Mas Inferno, o mais novo livro do autor, está sendo aclamado como sua obra-prima, então fiquei muito curiosa para ler. Spoiler do que eu achei: sensacional! O hype é totalmente justificável, acredito que Dan Brown tenha se superado neste livro e tenho dúvidas se um dia ele vai escrever algo tão bom quanto Inferno.

Vamos à sinopse: Robert Langdon acorda em um hospital em Florença, sem memória, e sem fazer a mais pálida ideia de o que está fazendo na Itália e o que aconteceu nas últimas 48 horas. Ainda no hospital, descobre que alguém misterioso está tentando assassiná-lo, e, dentre muitas incertezas, a única certeza que tem é que precisa fugir dali o mais rápido que conseguir. Com a ajuda da bela média Sienna Brooks, ele vai aos poucos juntando as peças de um enigmático quebra-cabeças e descobre que o mundo, tal como o conhecemos, periga entrar em extinção por causa de uma ameaça misteriosa.

Como o título denuncia, Inferno é inspirado no inferno de Dante, a parte mais célebre de A Divina Comédia, de Dante Alighieri. Este poema épico narra a passagem do próprio Dante pelo Inferno, o Purgatório, e finalmente o Paraíso. São muitas referências ao clássico e tenho certeza de que quem é mais culto que eu e leu a Divina Comédia vai apreciar ainda mais. Mas não se preocupe, dá para entender a história numa boa, mesmo sem ter lido.

Em Inferno, há todos os clichês típicos do Dan Brown, mas ainda assim o livro consegue cativar e surpreender! É ação o tempo todo, e muitas vezes o leitor mal tem tempo de respirar entre uma reviravolta e outra. Por falar em reviravoltas, elas são muito frequentes em Inferno, e meu conselho para quem for começar a ler é: não confie em nenhum personagem!

O que mais gostei no livro é que ele promove uma reflexão sobre um tema bem atual, e ainda pouco explorado: a superpopulação mundial. Este é um assunto recorrente ao longo da narrativa e nos leva a alguns questionamentos, tais como: até que ponto a ciência pode interferir na vida e o no livre arbítrio da humanidade? Até que ponto os avanços tecnológicos podem ser benéficos, e quando é que começam a ser antiéticos? Todas essas são perguntas que ficam no ar durante a leitura de Inferno, e não são respondidas no final, o que eu particularmente achei ótimo, porque são perguntas que definitivamente não têm resposta.

Aliás, adorei o desfecho meio em aberto e tenho a impressão de que isso vai servir de gancho para futuras aventuras de Langdon. Sim, porque os planos de Dan Brown são escrever nada menos que doze livros protagonizados pelo simbologista. Resta saber se Robert Langdon tem fôlego para mais oito histórias!

Como eu sempre prefiro falar sobre os livros do que escrever sobre eles, fiz um vídeo contando tudo isso e muito mais. Vale a pena assistir!




E você, compartilha das minhas impressões? Conta para mim o que achou de Inferno!
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Tag: Chatice Literária

quinta-feira, 7 de novembro de 2013


Eu amo responder tags em vídeo, acho que é uma boa maneira de fazer aqueles que me acompanham aqui e lá no you tube me conhecerem melhor. Desta vez, respondi à Tag Chatice Literária, porque achei muito divertida e falar mal de livro ruim é comigo mesmo! São oito perguntinhas rápidas, que eu adorei responder. Se quiser saber minhas respostas, é só dar o play abaixo.



Perguntas respondidas no vídeo:

1. Um livro que você achou que seria legal, mas foi chato? 

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras e Agosto.

2. Um livro que todos dizem que é fantástico, mas você não gostou?

O Caçador de Pipas e A Pílula do Amor. 

3. Um livro que tinha tudo para ser bom, mas é chato?

Orgulho e Preconceito e Zumbis. 

4. Um livro com personagem principal intragável?

50 Tons de Cinza, pelo conjunto da obra. 

5. Um livro com final terrível?

Samantha Sweet, Executiva do Lar e O Prisioneiro da Árvore (Livro 4 de As Brumas de Avalon) 

6. Universo em que você nunca gostaria de morar?

Universo de 1984. 

7. Livro que você tem na estante, mas tem medo de ler por parecer chato?

Trilogia Jogos Vorazes

8. Livro que tinha tudo para ser chato, mas foi bom?

A História sem Fim. 



E você? Que tal responder às perguntas acima nos comentários e compartilhar seus gostos comigo? 


Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Desejando: O Chamado do Cuco, de JK Rowling

terça-feira, 5 de novembro de 2013


Finalmente a Rocco lançou O Chamado do Cuco por aqui. Para os desavisados, trata-se do novo livro de JK Rowling, um romance policial com a peculiaridade de ter sido lançado sob o pseudônimo de Robert Gailbrath. A autora de Harry Potter e Morte Súbita queria saber se um livro seria bem aceito pela crítica caso não tivesse seu nome impresso na capa, e aparentemente O Chamado do Cuco passou no teste. 

Fiquei bem feliz com a rapidez da tradução e do lançamento do livro aqui no Brasil, certamente foi uma bola dentro da Rocco. Muita gente estava com medo de a edição nacional deixar a desejar, sobretudo se pensarmos que as edições brasileiras de Harry Potter não são as mais caprichadas do mundo. Mas a editora sambou na cara dos leitores lindamente, porque O Chamado do Cuco veio com uma edição incrível, com capa dura e preço ok. Ainda não comprei a minha porque tenho pena de investir em livros que já li, mas ó, com certeza é um livro que vai vir morar na minha estante mais cedo ou mais tarde.

Logo que a identidade da autora de The Cuckoo's Calling foi descoberta eu corri para ler o livro, em e-book mesmo porque a ansiedade não ia me deixar esperar a edição física chegar da Amazon! Gostei muito e até já gravei um vídeo com as minhas impressões. Se você ainda não assistiu, basta dar o play abaixo.



Tá no topo da minha wishlist de natal!

E você, também quer ler ou já leu O Chamado do Cuco? 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Livros sobre publicidade

segunda-feira, 4 de novembro de 2013
O post de hoje é bem diferente, vou dar dicas de livros de teor mais técnico sobre publicidade para os coleguinhas de profissão, para quem planeja se aventurar nessa área ou, simplesmente, para quem se interessa pelo assunto.


Tudo o que você não queria saber sobre propaganda foi o primeiro livro sobre o assunto que eu comprei, e li assim que entrei na faculdade. Muitos pensam que é uma profissão cheia de glamour, festas, jabás e prêmios, e o autor, Newton Cesar, aborda de forma bem-humorada as mazelas da profissão, como trabalhar 25 horas por dia, virar noite na agência e lidar com clientes indecisos e prazos apertados. Acho uma boa leitura para quem ainda está em dúvida sobre seguir ou não a carreira. Dica de amiga: não siga!

Fazer Acontecer ganhou nova edição, com um acréscimo de “.com.br” ao fim do título. Acho este livro muito bom para quem trabalha ou quer trabalhar com planejamento. No livro, Julio Ribeiro conta um pouco da sua experiência com planejamento publicitário, fala de cases, e dá uma verdadeira aula de como conseguir uma campanha de sucesso. Bem bacana para quem quer descobrir o que é necessário para “fazer acontecer”.

Um TOC na Cuca foi um livro que me recomendaram quando eu estava no segundo período e, se não me engano, só é possível encontrar em sebos (o meu eu troquei no Skoob). Nele, Roger Von Oech dá uma série de dicas para quebrar o bloqueio criativo e conseguir pensar “fora da caixinha”. O livro é repleto de desafios e exercícios para estimular a imaginação. Acho bem útil para profissionais que têm a criatividade como fonte de renda.

De título auto-explicativo, Raciocínio Criativo na Publicidade de Stalimir Vieira é uma pequena aula de como criar uma comunicação que cative e que faça a diferença em meio ao mar de campanhas mal-feitas que vemos por aí. O foco aqui é o planejamento, mas aborda várias áreas da publicidade, com cases divertidos. Do mesmo autor, também já li Marca: O que o coração não sente os olhos não veem, e gostei muito.

Na fila de "ainda vou ler" ainda estão A publicidade é um cadáver que nos sorri, de Oliviero Toscani, e Criatividade em propaganda, de Roberto Menna Barreto. Já estudei um pouco sobre eles durante o curso, mas ainda não os li por inteiro. Quando eu ler, conto o que achei.

Enfim, fica aí a dica para os coleguinhas de profissão. 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Comprinhas de outubro

Em outubro eu comprei tantas coisas legais que resolvi fazer um vídeo mostrando minhas aquisições mais recentes! Tirando uma frescurinha aqui, outra acolá, foram coisas que eu realmente precisava. Fiquei feliz!


Tem maquiagem, esmaltes, muuuitos produtos para cabelos, roupas para malhar, um livro sensacional e até um headphone. Quer ver tudo em detalhes? Então assista ao vídeo! 


Produtos mencionados no vídeo:

  • Paleta Mosaico Terra Cota da Impala
  • Lápis Bourjois na cor Brun Inoxydable
  • Sérum fortificante Age Defy
  • Mousse Tressemé
  • Leave-in Liso Raízes Garnier
  • Linha Keratin Effects ElisaFer (press kit enviado pela marca)
  • Perfume capilar Love my Hair C. Kamura
  • Perfume Island Fantasy
  • Protetor solar Bioré
  • Demaquilante em óleo Bioré
  • Spray secante de esmaltes Aspa
  • Esmaltes Impala (coleção Califórnia) nas cores: Destino dos sonhos e Diário de viagem
  • Esmalte Curte, da Colorama (coleção Famosa)
  • Esmalte Dreamer, da Revlon
  • Headphone Sony
  • Camiseta Adidas  
  • Short-saia Oxer (marca própria da Centauro) 
  • Livro Elvis e Madona (Ótimo!! Resenha em breve no canal) 

E essas foram as minhas compras do mês. Quais foram as suas? ;) 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Especial de Halloween: Poe e suas histórias extraordinárias

quinta-feira, 31 de outubro de 2013
Eu amo Halloween e acharia incrível se as comemorações típicas da época fossem mais comuns no Brasil. Se você acha que "a gente tem que valorizar a cultura e as tradições do brasil, vamos criar o dia do saci", olha só a minha cara de quem gosta de samba e feijoada, cara-pálida! Enfim, obviamente não podia deixar de fazer um vídeo especial, e escolhi como tema meu autor de horror e mistério favorito: Edgar Allan Poe e suas histórias extraordinárias!



Adoro Poe, já li praticamente tudo o que ele escreveu e, no vídeo, falo um pouquinho sobre meus contos preferidos do autor e sobre a influência de sua obra na música, sobretudo no Heavy Metal, estilo que eu amo de paixão e que combina muito bem com o tom sombrio da literatura de Poe.

Sem enrolar muito, assista ao vídeo para saber mais:



Contos/poemas mencionados no vídeo:

- Os crimes da Rua Morgue
- O gato preto
- A queda da casa de Usher
- O poço e o pêndulo
- O corvo (The Raven)
- A dream within a dream (Um sonho num sonho)

Música do Nightwish mencionada no vídeo, de escuta obrigatória para quem aprecia obras de arte em forma de música: "The Poet and the Pendulum"

Capa do CD dos Beatles, Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, que traz o rosto de Poe em meio à multidão (logo na primeira fila).



E é isso! Espero muito que você tenha gostado do vídeo, eu com certeza adorei gravá-lo. :)
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Carioquices: Palácio do Catete/Museu da República

quarta-feira, 30 de outubro de 2013
Semana passada aconteceu mais um evento literário aqui no Rio, a Primavera dos Livros. Acontece todos os anos, e trata-se de uma mini-feira que reúne stands de editoras menores, não tão mainstream, mas que publicam deliciosas pérolas. As principais vantagens da Primavera dos Livros são: disponibilizar livros aos quais normalmente não temos acesso nas livrarias e, principalmente, oferecer livros a preços muito baixos! Algumas editoras estavam dando 50% de desconto em todos os títulos, valia muito a pena! Mas o post não é para falar da Primavera dos Livros, e sim sobre o belíssimo lugar onde aconteceu o evento: o  Museu da República, no Palácio do Catete!



Localizado em um belo palácio na Rua do Catete, o Museu da República é um reduto verde em meio ao caos do Rio de Janeiro. Muita área verde, laguinhos, estátuas espalhadas pelo palácio e espaço de sobra para quem quer estar em contato com a natureza e se desconectar do "mundo real" por umas horinhas. Eu mesma me joguei em um dos banquinhos e fiquei lendo o livro que tinha acabado de comprar, despretensiosamente, ao ar livre.





O museu dispõe de um auditório, de livraria, de um parque para as crianças, e abriga cerca de nove mil objetos, cem mil documentos, nove mil títulos de livros e periódicos, e coleções de fitas cassete e CDs. Mas o que eu mais gostei foi mesmo de aproveitar as áreas ao ar livre. Achei tão bonito que tirei mil fotos, com o celular mesmo. Pena que fui sozinha, seria lindo fotografar looks por lá. ;)





No fim das contas, o programa de domingo, que estava programado para ser apenas mais um episódio de orgia consumista de livros, acabou se tornando um passeio bucólico por um lugar tão incrível que eu quero muito voltar para visitar com mais calma em outra ocasião. Com o extra de eu ter caminhado até o metrô da Glória e almoçado na região, às três da tarde, relembrando a época em que eu estagiava por lá com uma certa nostalgia. Tempos tranquilos em que não havia aluguel, contas para pagar, e a vida era simples, simples. Recordar é viver, afinal.



Mas enfim, digressões à parte, fica aí a dica de passeio cultural bem divertido. E você, já conhecia o Palácio do Catete? 
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.





Livro O menino da Mala

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Tudo começou em uma singela ida à livraria. Vi o livro O Menino da Mala, escrito a quatro mãos por Lene Kaaberbol e Agnete Friis, li a sinopse e... me apaixonei! Aproveitei que a editora Arqueiro é parceira aqui do blog e pedi que me enviassem. Me empolguei tanto que gravei o vídeo assim que terminei de ler, porque é um livro bem denso e eu não queria esquecer nenhum detalhe importante. 

O principal motivo por eu ter querido tanto ler este livro foi que, segundo a contracapa, os fãs da Trilogia Millennium iriam adorar lê-lo. E mais: que a heroína Nina Borg consegue superar a fantástica Lisbeth Salander. Sinceramente? Não vi muitas semelhanças entre as duas obras, a não ser pelo fato de se passarem em países escandinavos e tratarem de temas pesados com várias pitadas de crítica social. Apesar disso, gostei demais de O Menino da Mala.

A trama gira em torno de Nina Borg, uma enfermeira dinamarquesa super altruísta, cuja missão no mundo é consertar tudo o que há de errado. Para isso, acaba negligenciando um pouco a própria família. Quando Nina recebe a ligação de uma antiga amiga pedindo sua ajuda para "salvar uma pessoa", logo fica intrigada. Qual não é a sua surpresa ao se deparar com uma mala contendo um menino de três anos completamente dopado! Ao contatar sua amiga para obter mais informações, descobre que ela foi brutalmente assassinada, o que desperta em Nina o pressentimento que de, agora, ela e o menino também correm perigo. Decide não envolver a polícia no assunto e parte em uma busca desenfreada pela origem do menino da mala, deixando seu marido e seus filhos preocupadíssimos.

Paralelamente, o leitor é apresentado a outros personagens riquíssimos, como Sigita, a mãe solteira forte e determinada da Lituânia, o casal de milionários cujo dinheiro não pode comprar a única coisa de que precisam e até um criminoso violento que, no fundo, age movido a traumas do passado. Isso foi o que mais amei na história: os personagens muitíssimo bem construídos, com backgrounds bem desenhados, que fazem com que o leitor entenda a motivação por trás de suas ações.

Enquanto a trama se desenrola, outras questões surgem, como a imigração ilegal e a indiferença dos cidadãos da Dinamarca perante o assunto, o tráfico de crianças, a exploração da prostituição das estrangeiras que chegam ao país, entre outros. Isso tudo torna a história bem mais rica. 

A narrativa das autoras é feita de modo a liberar pílulas de informações aos pouquinhos, permitindo que o leitor construa a história em sua cabeça até chegar à resposta. Por sinal, o final do livro é inteligente, surpreendente e deixa um gostinho de quero-mais para os livros futuro da série protagonizada por Nina Borg. 

Gostei muito e com certeza recomendo! Fiz um vídeo contando quais foram as minhas impressões do livro e ficou bem legal:


Você também se interessou em ler O Menino da Mala? Conta para mim o que achou da sinopse. ;)

Disclaimer: Este livro foi enviado pela editora para resenha. Tudo o que foi exposto neste artigo é baseado em minha opinião sincera e não recebo nenhum tipo de compensação para escrever o post.
Fabiola Paschoal
Bibliófila, feminista, redatora, geek. Entusiasta das letras e das artes, adora quebrar estereótipos e dar opinião sobre qualquer assunto.
 
© Blog Colecionando Prosas - Março/2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda Tecnologia do Blogger.
imagem-logo